Filmes da DC/Warner e Marvel Studios dominam o mainstream dos filmes de super-heróis, porém algumas produções do gênero, mesmo a maioria dos filmes citados a seguir que fazem parte de uma época anterior ao BOOM dos filmes de super-herói, são escondidas e, algumas, até mesmo desconhecidas devido a reprises intermináveis de filmes das duas grandes produtoras e ao marketing massivo dos mesmos. Então, foi com o intuito de levar ao conhecimento de um público mais amplo que lhes apresento: (Alguns) Filmes de Super-Herói para dar uma pausa em Marvel e DC.

O Vigilante Despretensioso e o Falso Sombrio

O primeiro, dirigido por Sam Raimi (Isso, aquele mesmo da trilogia do Homem-Aranha com Tobey Maguire) é um filme despretensioso evocando ares das primeiras estórias de super-heróis, nele um cientista pesquisador no campo de peles sintéticas é espancado e tem seu laboratório incendiado saindo gravemente ferido e dado como morto, após passar por uma cirurgia experimental volta com força e resistência sobre-humanas juntando os dados que recolheu du

rante sua pesquisa, agora, desfigurado e tendo que atuar nas sombras, prepara sua vingança. É quase possível ver os balões de narração durante o filme, como uma estória de origem escrita por Stan Lee.

O plano de fundo do anti-herói Corvo poderia muito bem ter saído de algum conto nórdico, onde um roqueiro tem sua casa invadida acarretando em sua morte e no estupro e assassinato de sua noiva, voltando dos mortos um ano depois pelo espírito do corvo, que segunda a lenda de tempos em tempos traz de volta almas que deixaram esse plano com grande tristeza. O filme é uma adaptação de um quadrinho homônimo, tenta ser sombrio, entretanto mesmo com a violência explícita, a abordagem do uso de drogas, numa cidade tão depravada quanto Gotham City, não é crível devido á superficialidade da maioria dos personagens, mas não deixando de ser um bom filme.

É interessante pontuar que muitas histórias em quadrinhos e filmes que adaptaram os supers para as telonas levaram a alcunha de sombrios devido ao seu grau de violência, uma ideia erroneamente trazida da “Era das Trevas” dos quadrinhos (Watchmen, Cavaleiro das Trevas, etc).

O Superman Quebrado

Um Superman bêbado com problemas de sociabilidade, chamado Hancock em seu filme homônimo e um Super-Homem que passa 40 anos de sua vida sem se dar conta de seus poderes, David Dunn (Possível homenagem a como Stan Lee nomeou algumas de suas criações mais famosas, colocando nome e sobrenome com a mesma inicial) em Corpo Fechado.

Hancock tem sua vida mudada após salvar, desastradamente, um publicitário que como forma de agradecimento tentar salvar a, já quase destruída, reputação do herói. Tendo que lidar com as consequências de suas atitudes e fantasmas do passado. Em Corpo Fechado, David, após ser o único sobrevivente de um acidente de trem e receber um estranho bilhete lhe perguntando quantas vezes já esteve doente, passa a se questionar se por acaso é um super-humano. Em Hancock temos essa ação-comédia e do segundo ato até o final do filme um aumento no drama, diferente de Corpo Fechado, temos esses efeitos megalomaníacos de destruição coerentes ao universo onde viveria um Superman, porém o suspense de Corpo Fechado parece cativar, e prender a atenção do espectador sendo uma homenagem aos colecionadores de quadrinhos com essa estória cheia de existencialismo. Não possui efeitos grandiosos como em Hancock, e isso é um dos fatores que o fazem especial e um filme de super-heróis fora do convencional. Entretanto Hancock não é um filme fácil de se esquecer, tendo sua sequência, atualmente, estando em pré-produção.

As Animações não tão “Family-friendly” Assim

Carinhosamente apelidado de o “Watchmen para crianças” a animação da Pixar, Os Incríveis, pegou os clichês de super-heróis e os transformou em algo original, do tipo que não veríamos em anos, colocando uma família de supers seres obrigados a voltar à ativa, após décadas de uma lei que proibia a circulação dos super-heróis. É um filme que difere de outros da Pixar, tratando temas considerados mais “Adultos”, sendo dirigido por Brad Bird o mesmo diretor de Gigante de Ferro que narra a estória de um Superman Robô achado por um menino em meio a paranoia da Guerra Fria, fazendo referência aos filmes de baixo orçamento de ficção cientifica da década de 50.

Megamente conta a história de um vilão extraterrestre azul que ganhou a reputação de ser o supervilão mais brilhante e inteligente que a Terra já conheceu. Juntamente com seu parceiro e amigo de infância Criado, ao longo dos anos ele tentou conquistar Metro City em todos os sentidos imagináveis. Cada tentativa, no entanto, foi um fracasso colossal graças ao seu maior inimigo, o super-herói e também extraterrestre meta-humano Metro Man. Esse aqui é outro exemplo de história que pega os clichês e os transforma em algo original, sem falar que o é um filme bem divertido.

Os Párias

Se Corpo Fechado é o filme do Herói, Fragmentado é o filme que nos apresenta o vilão, pois os dois personagens irão se enfrentar em um filme de 2019 intitulado “Glass”, algo que o diretor M, Night Shyamalan planejava desde a estreia de Corpo Fechado, uma trilogia. Diferente do antecessor Fragmentado não vem recheado de referências ao mundo dos quadrinhos sendo puxado para o campo da psicologia explicitamente, junto a um suspense com altos níveis de tensão onde um homem com 23 personalidades sequestra 3 adolescentes em bunker subterrâneo, parcialmente inspirada na história real de Billy Milligan.

Em Poder Sem Limites, a interessante mistura de drama, mais, adolescentes, mais, superpoderes nos da uma grande experiência nesse “found footage” (Gênero de filmes onde o próprio personagem filma), é uma boa fórmula para “O poder corrompe, mas poder absoluto, corrompe absolutamente”. A história do filme conta a trajetória de um jovem chamado Andrew, seu primo Matt e seu colega de escola Steve, que juntos adquirem telecinese após entrarem em contato com um objeto desconhecido. O trio passa a utilizar suas novas habilidades para obter ganhos pessoais, até que Andrew decide usar seu poder para fins obscuros.

Quando um adolescente comum, chamado Dave Lizeewski, que decide tornar-se um super-herói por influência das histórias em quadrinhos. Torna-se conhecido na mídia como “Kick-Ass”, e motiva o surgimento de uma nova onda de super-heróis no país, assim inclui-se Red Mist, que se torna seu “parceiro” no combate ao crime, o misterioso Big Daddy e sua filha Hit-Girl, que vivem um eletrizante dia-a-dia matando mafiosos. Porém, quando Frank D’Amico arma uma armadilha para os heróis, Kick-Ass deve provar que não são precisos poderes para ser um super-herói de verdade. Adaptação de quadrinhos com mesmo nome é um filme de Super-Herói +18, o primeiro de dois filmes. Estão espere pancadaria, sangue, muitas mortas e piadinhas e referências sagazes ao mundo dos quadrinhos mainstream, misturadas à uma trilha sonora divertidíssima, pois Matthew Vaughn(Kingsman), o diretor, entende muito bem do assunto.

Um filme que surgiu da paixão de seus criadores por quadrinhos e animes, o que os quase levou a um processo judicial por plagio, pois o filme contém muitos elementos da Hq “Os Invisíveis” de Grant Morrison. Matrix(Primeiro de uma trilogia) Thomas A. Anderson vive uma vida dupla. De dia, é um programador para uma companhia de software. De noite é um hacker, invadindo sistemas de computador ilegalmente e roubando informações, sob o apelido de Neo. Durante a sua vida como pirata informático, Neo cruza-se com uma pergunta constante: “O que é a Matrix?”. Na busca da resposta, dedica-se de forma persistente a encontrar um suposto “terrorista” conhecido apenas como Morpheus. O que Neo não sabe é que Morpheus o tem observado por um longo período de tempo… Considerado uma obra-prima por tratar temas como “O que é realidade?”, combinando efeitos megalomaníacos com questões filósoficas, não é atoa que irá perdurar como um dos melhores filmes já feitos, além, claro, de ser uma homenagem ao mundo dos super-heróis.

Lembrou-se de algum que não deveria faltar nessa lista? Comente, quem sabe aconteça um Parte 2.

%d blogueiros gostam disto: