No meu último artigo, intitulado “Aí vem o furacão”, mencionei que os quadrinhos Disney já não faziam mais tanto sucesso com os americanos. Em compensação, na Itália, esses personagens fazem tanto sucesso que suas obras seguem a todo vapor até hoje. Muitos dos mais consagrados Mestres Disney são italianos. E hoje, conheceremos a obra de um deles, Massimo de Vita, responsável pelo texto e arte da aclamada saga A Espada de Gelo, que recentemente ganhou uma edição especial de luxo da Editora Abril, sendo a primeira publicação no Brasil de suas histórias completas.

Capa da edição de luxo brasileira, publicada pela Editora Abril

A Espada de Gelo é uma aventura que já nos causa um grande impacto inicial ao percebermos que o Pateta é o protagonista, cabendo ao Mickey, que sempre lhe é atribuído o papel principal, o cargo de mero coadjuvante. Um “Sancho”, se me permitem a comparação. Isso por si só já nos mostra uma visão totalmente diferente e com possibilidades mais interessantes para o enredo, uma vez que as soluções que normalmente são apresentadas pelo Mickey passam a ser as mais improváveis possíveis quando são articuladas pelo carismático, porém trapalhão, Pateta.

Pateta ao concluir sua façanha, ao vencer o “Velho da Montanha”

Composta por 4 histórias, esse arco nos brinda com um trabalho de mais de uma década do autor, sendo cultuado em inúmeros países e tido para muitos fãs como uma das melhores sagas criadas para o Universo Disney. Os entusiastas de J. R. R.  Tolkien encontram uma série de semelhanças entre a Terra Média e a mítica Asgaar, embora seu autor negue que tenha sido influenciado por “O Senhor dos Anéis”, pois jamais havia lido tal obra. Apesar das similaridades, há também elementos de diversas outras culturas fantásticas, como a mitologia nórdica (Asgaar? Asgard?), com suas paisagens gélidas e hábitos locais caricaturados.

As histórias costumam se passar na época de Natal, que por si só já cria uma ambientação mágica, propícia para eventos incríveis. Pateta e Mickey são levados a uma outra dimensão onde precisam ajudar o povo de Asgaar a se livrar das garras do cruel soberano Príncipe das Névoas, uma versão mais cômica – assim por dizer – do vilão Darth Vader, de Star Wars. E a única forma de isso acontecer é através da busca da singular arma que seria capaz de tal feito. Nessa altura, creio que você já deve imaginar que se trata da Espada de Gelo, não?

Pateta em batalha com o Príncipe das Névoas (ou seria um Darth Vader mais cômico?)

A primeira história, que leva o nome da saga “A Espada de Gelo“, foi criada em 1982. Apesar de ser uma história completa, com começo, meio e fim, o autor não se deu por satisfeito e continuou o enredo, um ano depois, com “O torneio de Asgaar“. No Natal seguinte, em 1984, Massimo de Vita parecia se despedir da trilogia com  “A volta do Príncipe das Névoas“,  na qual tece diversas críticas a uma sociedade outrora simples e pacata, porém que se torna consumista e tão logo insustentável. Após quase dez anos, quando a maioria dos fãs pensava que a trilogia estava concluída, Massimo de Vita resolve “ressuscitar” a série, após a insistência dos diretores da editora italiana e do roteirista conterrâneo Fabio Michelini apresentar uma ideia que daria um novo rumo a agora saga. E foi com “A Bela Adormecida do Cosmos” que isso, enfim, aconteceu, em 1993.

Recentemente lançada em Pateta 68 (Editora Abril), uma paródia homenageia o sucesso da saga. “A Espada Geladinha“, com roteiro de Simone Albrigi e desenho de Silvia Ziche, traz uma visão ainda mais cômica da epopeia. Vale a pena ler se o original agradou.

Capa da paródia “Pateta e a Espada Geladinha”, uma sátira da Espada de Gelo

Então, para resumir, o título trata de uma jornada por um mundo instigante, com torneios, lições de altruísmo e provas de amizade. Todos esses elementos são facilmente encontrados nessa obra de arte de Massimo de Vita.  E, é claro, temperadas com um humor inesperado do Pateta, que chega a beirar o inacreditável com sua capacidade mental para solucionar problemas. Pobres daqueles que se colocam no caminho do grande primo de Alf (Quem? Leia e entenda o porquê do protagonismo do Pateta. Não vou estragar a surpresa de ninguém).

Com 324 páginas,  capa dura e preço de  R$59,90, o livro A Espada de Gelo (Edição de Luxo) ainda pode ser encontrado na maioria das livrarias físicas e virtuais e com bom preço. (Dê uma olhada na oportunidade abaixo! Pode ter um descontão nela!)

Minha avaliação? ✰✰✰✰

Compre com desconto na Amazon

%d blogueiros gostam disto: