Eae, tudo bem? Meu nome é Z, e eu sou um dos novatos aqui no site, junto do Kevin e dos veteranos eu vou cuidar da área J-Geek do site. Bem… Esse não era exatamente para ser o meu primeiro post para o site, mas como eu tenho demorado MUITO para terminar ele, eu resolvi me adiantar e fazer algo mais simples antes. Com isso, trago à vocês essa review da primeira temporada de Shingeki no Bahamut Genesis!

byp_jg8iaaa7z5q-large

Shingeki no Bahamut Genesis é um anime do estúdio MAPPA, cujo os gêneros são Ação, Fantasia e Aventura, tendo a sua primeira temporada 12 episódios e a sua segunda temporada ainda sem data de estréia.

 

O universo se passa em um mundo medieval fantástico, bem naquele estilo viajado japonês, com anjos, demônios, deuses de culturas diversas e até mesmo alguns monstros, mas também tendo algumas figuras históricas, como Joana D’Arc ou até mesmo elementos de contos literários, como a Bíblia Negra.

 

A história do anime se inicia com uma batalha épica, contra uma criatura chamada Bahamut. Este ser, é uma espécie de super dragão, tendo poder suficiente para destruir o mundo completamente, o tornando uma ameaça tão grande que fez com que Humanos, Deuses e até Demônios se aliassem para combate-lo. Como a magnitude do perigo é tamanha para que ambas as raças se unissem, o custo para salvar o mundo dela foi equivalente, resultando numa ação desesperada do líder dos Deuses, Zeus, e o líder dos Demônios, Satan, se sacrificando para selar a criatura. As chaves do Selo foram divididas em duas, sendo uma delas dada aos Demônios e outra aos Deuses, para que ambas não sejam unidas e que o Bahamut não seja liberto novamente no mundo.

 

Após essa tal vitória, o mundo permaneceu em paz, com cada raça vivendo no seu canto e tendo alguns pequenos atritos. Isso, até um ataque acontecer ao local onde a chave do selo pertencente aos Deuses ser roubada por uma mulher, na qual possui ambos os poderes de Anjo e Demônio. Logo, a caçada pela ladra e pelo selo de Bahamut é iniciada, com ambos Deuses e Demônios os procurando, com interesses próprios.

 

E é nessa situação em que nos é apresentado dois dos nossos protagonistas, Fávaro Leone e Kaisar Lidfard, o primeiro um Caçador de Recompensas, ou outro um Cavaleiro, que também se tornou um Caçador de Recompensas para perseguir Fávaro e se vingar dele. Ambos eram amigos de infância, mas falarei melhor disso ao falar sobre os protagonistas. A apresentação deles começa mesmo com uma cena de Kaisar perseguindo Fávaro, mas após certos acontecimentos Fávaro consegue escapar, e mais tarde acaba encontrando uma garota misteriosa de cabelos rosados, a qual deseja que Fávaro a leve para a terra de Helhiem rápido, após ele ter dito saber onde fica.  Com mais alguns acontecimentos, Fávaro acaba ficando inconsciente e ao acordar percebe que ganhou uma cauda de demônio, um símbolo do pacto que ele fez com Amira, a Mulher que o pediu para leva-la à Helhiem e também aquela quem roubou a chave do selo de Bahamut. E nessa situação bagunçada que Fávaro se foca em levar Amira à Helhiem e se livrar dessa cauda, enquanto Kaisar, Demônios e mais outros problemas os perseguem e a história se desenvolve.

 

Agora, vou fazer uma ficha rápida dos personagens, apenas pra resumir do que se trata cada um:

Favaro_1

Fávaro Leone: Ele é o protagonista de maior destaque do anime. Um rapaz sagaz, egoísta, mentiroso, conquistador e que tem um bom coração, apesar de seus atos priorizarem o seu bem antes dos outros, sempre aparentando não ligar para nada. É muito criativo e habilidoso, sempre armando planos para contornar as situações, mesmo que no improviso. Filho de um ladrão, acabou perdendo o seu pai por um roubo que o mesmo havia executado com a sua gangue, e também era amigo de infância de Kaisar, apesar de ser o responsável aparente pela quebra da amizade.

 

bahamut2

Kaisar Lidfard: Amigo (mais para Ex amigo) de infância de Fávaro. Realmente um cavalheiro, honesto, honrado e principalmente emotivo. Se deixa levar demais pela sua raiva ou senso de justiça (coisas bem fortes e presentes nele). Seu pai foi executado em praça pública após falhar na guarda do transporte de um tesouro de um Nobre, assim trazendo vergonha e desgraça à sua família. Kaisar culpa Fávaro pela vergonha que ele sofreu e o persegue para se vingar e recuperar sua honra, com isso ele chegou a se tornar um caçador de recompensas para poder concluir o seu objetivo.

 

shingeki-no-bahamut-amira

Amira: Se Fávaro é o protagonista de maior destaque na trama, Amira é o personagem principal na mesma. Praticamente tudo que acontece no enredo gira em torno ou é consequência dela. Amira é um híbrido de Anjo e Demônio, tendo parte dos poderes de ambos, mas acima de tudo, uma enorme força física. A sua personalidade é de certa forma estranha, sendo muito séria em certos momentos, mas extremamente infantil em outros, parecendo uma criança de 10 anos. Isso tem uma explicação no decorrer da história, mas como sabem, é spoiler.

 

O quarto protagonista só aparece no decorrer da história, então boa parte das informações sobre ela são spoiler, mas posso dizer que o nome dela é Rita, ela é uma garotinha com poderes mágicos “peculiares” e um grande intelecto. Ela geralmente é muito séria e madura, só demonstra humor (negro) mesmo no final da história. Rita também desenvolve algum interesse ou apego por Kaisar, mas isso ainda não tem explicação. No ápice da história, é Rita quem bola boa parte do plano pra resolver o problema e é também quem executa grande parte da solução.

 

Bem, com a premissa explicada, personagens apresentados, agora eu devo falar dos aspectos técnicos.

 

Começando pela direção, que para muitos, é uma bagunça. Na verdade, ela se explica plenamente no conjunto da obra, afinal, Bahamut se vende como uma obra japonesa puxada para a cultura ocidental, tendo toda uma animação bem feita, com movimentação muitas vezes realista e ótimas coreografias de luta, porém, o “defeito” nisso tudo seriam as expressões faciais dos personagens, sendo inconsistentes e com gags faciais pra fazer piadas, além da diferença no estilo de animação que os episódios sofrem, com cenas de dança ou luta completamente diferentes da animação habitual que o anime tem. Falando assim, parece mesmo algo mal feito e estranho, mas se justifica no fato de como Bahamut é, porém vou falar mais disso na conclusão. Só saiba que a animação pode, no máximo, parecer estranha, mas é boa.

As Mil Faces de Favaro

As mil faces de Favaro.

A trilha sonora tem uma boa variação, tendo a abertura feita pela banda (fodona) de J-(Geek) Rock SiM e o fechamento feito por Risa Shimizu. Já a trilha que toca durante o anime é feita por Yoshihiro Ike, tendo tanto pegadas de épicos orquestrais, quanto de batidas frenéticas de filmes de Velho Oeste, sendo que no meio disso tudo ainda aparecem uns trechos de rock que se misturam à batida de uma forma engraçada, porque fica muito harmônica. As trilhas são bem presentes no anime e combinam bem com os momentos, te fazendo imergir de uma forma agradável na trama.

 

O roteiro é bem coeso, a história progride bem, com a primeira metade mais para construir e introduzir, e depois tendo a segunda metade pronta para se realizar, que é onde as coisas se desfecham, merdas acontecem, fode tudo e finalmente o grande problema consegue ser resolvido com uma grande dificuldade. Em analogia, seria algo como a jornada de Frodo e Sam pra destruir o anel, onde eles conseguem cumprir a tarefa após penarem muito. Sobre o ritmo, cada episódio flui bem, dando muita informação ao mesmo tempo, mas não destruindo a graça de assistir, apenas fazendo perder um detalhe ou outro, mas nada demais; porém o estilo de história que é contado, é daqueles que não são fornecidos muitos detalhes de universo, personagens não são aprofundados mais do que os seus papéis na história necessitam, sendo direto ao ponto e deixando claro o que a obra quer te mostrar daquele universo e foda-se todo o resto.

 

Como falei acima, os personagens não possuem um desenvolvimento maior do que o necessário para o plot, então não há grande exploração escrachada de como o personagem é ou porque é age assim; tanto que o grande vilão da história é simplesmente um louco com vontade de ver o mundo pegar fogo (bem como esse alguém que você pensou). Mas é claro que os personagens não são um simples “foda-se porque sim” na história, eles simplesmente deixam as ações deles falarem por si, mostrarem à quê vieram e o que farão daqui pra frente. Não é necessário que o personagem pare no meio da correria para lhe contar a história de vida dele, você só precisa ter cérebro e prestar atenção nas características dele.

eraser-shingeki-no-bahamut-genesis-02-fc9410c3-mkv_snapshot_00-42_2014-10-27_20-01-54

Joana é um exemplo de personagem que faz o que precisa na história e pronto.

Agora, finalmente falando do conjunto!

 

Existem obras onde os detalhes separados te agradam mas o conjunto não, existem obras onde tanto o conjunto quanto os detalhes separados te agradam. Bahamut é o tipo de obra que te agrada muito no conjunto, te deixa satisfeito, e que talvez te faça gostar de alguns detalhes separados. O motivo de eu deixar para explicar certas coisas aqui foi justamente por isso; Bahamut só se explica mesmo no seu conjunto, porque os detalhes sozinhos parecem disperços e porcos. Shingeki no Bahamut Genesis é uma obra centrada e direta ao ponto, onde você encontra personagens carismáticos que não são aprofundados, uma animação que melhor caber no momento independentemente da consistência com o estilo default e uma trilha que pode começar em Ópera, ir pro Rock e fechar no Country, apenas para dar emoção ao momento. Bahamut é muito uma loucura, desde seu conceito até sua realização, sendo sutil, histérico, dramático, raivoso, tudo ao mesmo tempo e em tempos diferentes. É uma história medieval alternativa onde um Super Dragão surge do nada pra destuir o mundo e Zeus é colocado como o deus supremo cristão e se une a Satã pra selar a criatura; o conceito já é tão viajado quanto a conclusão, então se você achou mal feito e estranho, você é apenas um cuzão que não entende que obras podem ser feitas de forma diferente e que até na bagunça pode rolar ordem.

 

Minha nota para Shingeki no Bahamut Genesis é um Lúcifer reluzente e piruletante, dançando Michael Jackson em um show do Slip Knot tocando Tarude Sandstorm! XD

%d blogueiros gostam disto: